domingo, 2 de dezembro de 2018

Aconteceu na tua biblioteca... MIBE

Para assinalar o  Mês Internacional da Biblioteca Escolar (MIBE) e celebrar a importância das bibliotecas e de tudo o que têm de bom, aceitámos o desafio da RBE e convidámos os alunos e professores a demonstrar a sua relação com a biblioteca escolar.

sábado, 1 de dezembro de 2018

Conta-me história...1 de dezembro de 1640

A Restauração da Independência em Portugal comemora-se anualmente no dia 1 de dezembro, sendo que esta comemoração foi retomada como um feriado em 2016.

A Restauração da Independência é a designação dada ao golpe de estado revolucionário ocorrido a 1 de dezembro de 1640, chefiada por um grupo designado de "Os Conjurados", que  invadiram o Paço Real e aclamaram D. João, duque de Bragança, como rei de Portugal.

D. João IV a ser aclamado rei

A Restauração da Independência foi o culminar de um período de grande descontentamento por parte da população portuguesa que não estava satisfeita com a união ibérica, entre Portugal e Espanha. A união ibérica originou problemas à população portuguesa, com sobrecarga de impostos e envolvimento de Portugal nos conflitos de Espanha.

Com a morte do jovem D. Sebastião na batalha de Alcácer-Quibir, Portugal enfrentou um problema de sucessão. Após o insucesso do Cardeal D. Henrique no comando da monarquia, Portugal foi regido por três reis D. Filipes de Espanha, durante 60 anos, período que ficou conhecido por Domínio Filipino.
O período de Restauração teve base no apoio de nobres e aristocratas, que se vinham organizando desde 1638 contra as políticas de descentralização e neutralização, administradas pelo duque de Olivares.
O fim à monarquia dual da dinastia filipina só  terminou com o Tratado de Lisboa em 1668.





Para mais informações, clica aqui.

A equipa da biblioteca deseja um bom feriado!

sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Sou Asas - História em LGP

No âmbito das atividades do "Dia Nacional da Língua Gestual Portuguesa, os docentes de LGP interpretaram a história “Sou Asas”, da autora Marta Morgada,  e fez sucesso na biblioteca escolar. 


Os alunos foram convidados a conhecerem a história de uma menina surda, que cresceu numa escola de ouvintes e nunca aprendeu a língua gestual. No 5º ano, ao mudar para uma escola de surdos, percebeu que, no mundo dos Surdos, todos têm um nome gestual - e que ela também terá. Este é o momento em que a menina renasce para uma nova identidade e para uma nova imagem de si própria.



Com esta história aprendemos que os nomes gestuais têm um forte simbolismo. Como diz Marta Morgado, podem ser atribuídos a partir de traços físicos marcantes ou ter como base a primeira letra do nome ou o gesto para o primeiro nome. Podem ainda ser uma característica da personalidade ou até mesmo um hábito.



As crianças surdas são naturalmente batizadas pelos seus colegas surdos. Os ouvintes que contactam com surdos também acabam por ter um nome gestual. Faz parte da cultura surda esta forma visual de apreender o mundo e de o representar. 

Este livro pode ser facilmente compreendido por crianças surdas e ouvintes. 


No final da história surgiu um momento muito especial. Os docentes de LGP ofereceram um marcador de livro com "mãozinhas", para lembrar este dia e motivar para a aprendizagem da língua e da cultura surda.











Obrigada pela participação e envolvimento!

Aconteceu na Tua biblioteca - Dia Nacional da Língua Gestual Portuguesa

Divulgamos a atividade desenvolvida pelos docentes de Língua Gestual Portuguesa, Aldónio Pestana e Raquel Lapa, com o apoio da biblioteca escolar.
Agradecemos a presença dos alunos da turma  da EPE , turmas do 1.º ano e a turma do 4.º C, da Escola Básica de Santiago Maior, e o apoio e participação das respetivas docentes.
Para aceder ao filme deve clicar na imagem.




Jogo do Alfabeto em LGP


Agradecemos o jogo que, no âmbito desta iniciativa, foi oferecido à Biblioteca Escolar e permitirá aos alunos aprenderem mais sobre esta língua interagindo e descobrindo...

A Equipa da Biblioteca agradece!