sexta-feira, 15 de janeiro de 2021

TJPL - "Ler, Ouvir e contar - Obra Trinta por uma linha", de António Torrado

Todos Juntos Podemos Ler.

Deixamos um registo da primeira sessão da  atividade que está  a decorrer, esta semana, na Tua Biblioteca Escolar!

Participação das turmas do 2.º A e do 3.º ano da Escola Básica de Santiago Maior.


 

Boas leituras!

quinta-feira, 14 de janeiro de 2021

Exposição "Reutilização de materiais " - Educação Tecnológica

A biblioteca foi o local escolhido para a dar a conhecer os trabalhos de Educação Tecnológica dos alunos do professor Alberto Lameira, das turmas do 6.º Ano, da Escola de Santiago Maior.

O tema foi a "Reutilização de Materiais" e os alunos criaram uma estrutura a seu gosto, recorrendo aos materiais que tivessem à disposição.

O balanço final desta atividade foi bastante positivo e criativo. 
Para além de identificarem requisitos técnicos, e recursos para a concretização de projetos, os alunos aprenderam a desenvolver o pensamento reflexivo, crítico e criativo, através da procura de novas soluções e aplicações.

Para aceder à apresentação, pode clicar a imagem. 




Parabéns!

quarta-feira, 13 de janeiro de 2021

Todos Juntos Podemos Ler - Obra "Trinta por uma linha", de António Torrado

Todos Juntos Podemos Ler - 

Leitura e adaptação do conto "Vida de sabonete", com pistas visuais e auditivas.



Podes aceder à obra original, proposta pelo Plano Nacional de Leitura, aqui.

Boas leituras!

segunda-feira, 4 de janeiro de 2021

Conta-me história - Louis Braille

Conta-me a história...

"Louis Braille nasceu nos arredores de Paris no início do século XIX. Quando tinha três anos feriu-se numa vista após uma brincadeira mal sucedida com as ferramentas do pai, tendo sofrido uma infeção que o fez ficar cego dos dois olhos. Na escola, sem conseguir ler nem escrever, não progredia. Por isso foi transferido para o Instituto para Cegos de Paris, onde iria permanecer durante toda a sua adolescência.

Em 1821, a visita de um antigo soldado à sua escola tornou-se crucial para o que viria a suceder de seguida. Charles Barbier tinha desenvolvido um sistema de 12 pontos em relevo que permitia aos combatentes comunicarem, em campo de batalha, ou durante a noite, em silêncio. O sistema não tinha sido propriamente um sucesso mas, transformado pelo jovem Braille, seria a base de todo o sistema de comunicação dos cegos  até aos dias de hoje.


Louis reduziu o número de pontos de 12 para 6, conseguiu formar um alfabeto com diferentes combinações  e juntou às letras símbolos matemáticos e musicais, criando um sistema que ainda hoje é usado como forma oficial de escrita e de leitura das pessoas cegas. Infelizmente, o seu sistema só seria reconhecido alguns anos após a sua morte, em 1852. 

Imagem ilustrativa 1




Para saberes mais, consulta o livro na Tua Biblioteca:


"Dediquei-me a criar um sistema que permitisse aos cegos lerem e escreverem como toda a gente. No princípio, muita gente desconfiou desta ideia, mas o passar do tempo e a eficácia da minha invenção deram-me razão. O sistema braille é hoje reconhecido como um sistema de escrita e leitura universal e é utilizado em escolas, nos serviços e na vida quotidiana de milhões de cegos, que assim não estão limitados à audição para acederem à cultura, à ciência, ao pensamento e a todas as outras áreas que a escrita permite."

In: Costa, S. F. Chamo-me Louis Braille. 



Imagem ilustrativa 2


Podes saber mais sobre Louis Braille, clicando na imagem:


Imagem ilustrativa 3


Dia Mundial do Braille - 4 de janeiro

O Dia Mundial do Braille ocorre a 4 de janeiro, por ser a data que assinala o nascimento de Louis Braille, o criador do sistema de leitura e de escrita Braille.

O alfabeto Braille, nome por que ficou conhecido, é um sistema de representação de letras, símbolos musicais, números e símbolos matemáticos através de pontos em relevo, marcados em papel ou outro material, que podem ser lidos pelo tato. Cada carater é representado por um conjunto de seis pontos, organizados em duas colunas de três.


Em novembro de 2018, a Assembleia Geral das Nações Unidas decidiu proclamar o dia 4 de janeiro como Dia Mundial do Braille, reconhecendo assim que a promoção dos direitos humanos e liberdades fundamentais no contexto do acesso à linguagem escrita é um pré-requisito essencial para a plena realização dos direitos humanos das pessoas cegas e deficientes visuais. 

Foto ONU/Evan Schneider


Este ano, a organização das Nações Unidas destaca a importância da inclusão de pessoas com deficiência durante a pandemia. 
Em todo o mundo, existe 1 bilhão de pessoas com deficiência. Mesmo antes da pandemia, elas já tinham menos acesso a cuidados de saúde, educação e emprego. 


A União Mundial de Cegos (World Blind Union) junta-se ao resto do mundo na celebração do Dia Mundial do Braille, a 4 de janeiro de 2021, o terceiro ano desde que foi oficialmente designado pela Assembleia Geral da ONU como um dia para aumentar a consciencialização sobre a importância do braille como meio de comunicação para o pleno funcionamento das pessoas cegas e com outro tipo de deficiência visual, garantindo competência, independência e igualdade.

No âmbito da comemoração nacional do Dia Mundial do Braille 2021, divulgamos uma atividade, através da plataforma Zoom e com difusão no canal de YouTube do INR, organizada pelo Instituto Nacional para a Reabilitação, na tarde do dia 19 de janeiro de 2021, terça-feira, uma sessão online intitulada "Tela e Ponto".